Pedagogia

"A Educação é a arma para libertar a humanidade e livrá-la do sofrimento causado pela ignorância e outros males sociais." "A Educação é a única e mais poderosa ferramenta para capacitar o ser humano para a vida." "A escola não existe para os professores, e sim para os alunos." Tais citações são algumas das diretrizes do meu Mestre, Daisaku Ikeda. Acredito que o ato de educar decorre do acordo entre os sujeitos, todos aprendentes, em prol do autoaprimoramento.

Ler e Escrever na Escola: o real, o possível e o necessário

LERNER, Delia. Ler e Escrever na Escola: o real, o possível e o necessário, Porto Alegre, Artmed, 2005

Ler e escrever... redefinir o sentido dessa função é uma tarefa incontestável.

Ensinar a ler e escrever é um desafio que transcende amplamente a alfabetização em sentido estrito. O desafio da escola hoje é o de incorporar todos os alunos a cultura do escrito e o de conseguir que todos cheguem a ser leitores e escritores.

O necessário é fazer da escola uma comunidade de leitores que recorrem aos textos buscando resposta para todos os problemas que necessitam resolver, tratando de encontrar informação para compreender melhor algum aspecto do mundo. O necessário é fazer da escola uma comunidade de escritores que produzem seus próprios textos para mostrar suas idéias, para informar sobre fatos que os destinatários necessitam e devem conhecer, enfim, por tantos outros motivos reais e importantes. O necessário e fazer da escola um âmbito onde a leitura e a escrita sejam práticas vivas e vitais, onde ler e escrever sejam instrumentos poderosos que permitem repensar o mundo e reorganizar o próprio pensamento, onde interpretar e produzir textos sejam direitos que é legítimo exercer e responsabilidade que é necessário assumir.

O necessário é, em suma, preservar o sentido do objeto de ensino para o sujeito da aprendizagem, o necessário é preservar na escola o sentido que a leitura e a escrita têm como práticas sociais.
O real é que levar à prática o necessário é uma tarefa difícil para a escola. É por isso que, antes de formular soluções –antes de desdobrar o possível-, é preciso analisar as dificuldades.

-DIFICULDADES ENVOLVIDAS NA ESCOLARIZAÇÃO DAS PRÁTICAS

Ao tentar instaurar as práticas de leitura e escrita na escola, apresentam-se –na realidade- muitas perguntas cujas respostas não são evidentes: o que se aprende quando se ouve o professor lendo? Em que momento as crianças se apropriam da “linguagem dos contos”? como ter acesso às antecipações e inferências que as crianças presumivelmente fazem ao tentar ler um texto por si mesmas? Quando se pode dizer que um aluno aprendeu a recomendar livros ou a confrontar diversas interpretações? Portanto, não é simples determinar com exatidão o que, como e quando os sujeitos aprendem essas práticas.

Por outro lado, trata-se de práticas sociais que historicamente foram, e de certo modo continuam sendo, patrimônio de certos grupos mais que de outros. Tentar que práticas “aristocráticas” como a leitura e a escrita sejam instauradas na escola supõe, então, enfrentar – e encontrar caminhos a resolver-: a tensão existente na escola entre a tendência à mudança e a tendência à conservação, entre a função explícita de democratizar o conhecimento e a função implícita de reproduzir a ordem social estabelecida.

- TENSÕES ENTRE OS PROPÓSITOS ESCOLARES E EXTRA-ESCOLARES DA LEITURA E DA ESCRITA

Na escola estão em primeiro plano os propósitos didáticos da leitura e da escrita, que são mediatos do ponto de vista dos alunos, porque estão vinculados aos conhecimentos que eles necessitam aprender para utilizá-los em sua vida futura, os propósitos comunicativos-como escrever para manter contato,ler para conhecer outro mundo possível- costumam ser relegados ou, inclusive, excluídos de seu âmbito. Essa divergência pode levar ao paradoxo: se a escola ensina ler e escrever com o único propósito de que os alunos aprendam a fazê-lo, eles não aprenderão a função social da leitura e da escrita, se a escola abandona os propósitos didáticos e assume os da prática social, estará abandonando ao mesmo tempo a sua função ensinante.

- RELAÇÃO SABER-DURAÇÃO VERSUS PRESERVAÇÃO DO SENTIDO

O ensino se estrutura assim, conforme um eixo temporal único, segundo uma progressão linear, cumulativa e irreversível. Distribuir os conteúdos em parcelas de saber e de tempo graduando as dificuldades: no primeiro ano de escolaridade, apenas o “código”, certas sílabas, depois apenas textos simples...
Tal organização entra em contradição não apenas com o tempo da aprendizagem como também com a natureza das práticas de leitura e escrita. Isso também pode levar ao paradoxo: se se tentar parcelar as práticas, é impossível preservar a sua natureza e o seu sentido para o aprendiz, se não as parcelamos ,é difícil encontrar uma distribuição dos conteúdos que permita ensiná-las.

- TENSÃO ENTRE AS DUAS NECESSIDADES INSTITUCIONAIS:
ENSINAR E CONTROLAR A APRENDIZAGEM

Apresenta-se um conflito de interesses entre o ensino e o controle da aprendizagem: se se põe o ensino em primeiro plano, é preciso renunciar a controlar tudo; se se põe o controle da aprendizagem em primeiro plano, é preciso renunciar a ensinar aspectos essenciais das práticas de leitura e escrita.
Frente a isso tudo o que fazer para preservar na escola o sentido que a leitura e a escrita têm fora dela? Como evitar que se desvirtuem ao serem ensinadas e aprendidas?
O possível é fazer o esforço de conciliar as necessidades inerentes à instituição escolar com o propósito educativo de formar leitores e escritores, o possível é gerar condições didáticas que permitam por em cena uma visão escolar da leitura e da escrita mais próxima da versão social (não escolar) dessas práticas .Em primeiro lugar, para possibilitar a escolarização dessas práticas sociais de leitura e escrita, para que os professores possam programar o ensino, um passo importante deve ser dado em relação ao projeto curricular é o de explicitar, entre os aspectos implícitos nas práticas, aqueles que resultam hoje acessíveis graças aos estudos sociolingüísticos, psicolingüísticos, antropológicos e históricos. È o que tentamos fazer (Lerner,Lolito,Levy,1996), ao formular como conteúdos do ensino não só os saberes lingüísticos como também as tarefas do leitor e do escritor : fazer antecipações sobre o sentido do texto que se está lendo e tentar verificá-las recorrendo à informação visual, discutir diversas interpretações acerca de um mesmo material, comentar o que se leu e compará-lo com outras obras do mesmo e outro autor. Recomendar livros, compartilhar leituras com outros, atrever-se a ler textos difíceis, tomar notas, planejar o que vai escrever, modificar o plano enquanto escreve, revisar,fazer modificações...
Em segundo lugar, é possível articular os propósitos didáticos -cujo cumprimento é em geral imediato -com propósitos comunicativos que tenham um sentido “atual” para o aluno e que tenham correspondência com os que habitualmente orientam a leitura e a escrita fora da escola. Essa articulação pode concretizar-se através de uma modalidade organizativa bem conhecida : os projetos de produção-interpretação. O trabalho por projetos permite, realmente, que todos os integrantes da classe- e não só o professor- orientem suas ações para uma finalidade compartilhada: gravar uma fita de poemas para outras crianças, por exemplo, dá sentido ao aperfeiçoamento da leitura em voz alta, preparar uma carta para protestar sobre algum fato, permitirá aprender a “escrever para protestar”, quando se está envolvido numa situação autêntica.
Por outro lado, a organização por projetos permite resolver outras dificuldades: favorece o desenvolvimento de estratégias de autocontrole da leitura e da escrita por parte dos alunos e abre as portas da classe para uma nova relação entre o tempo e o saber. Realmente, ao orientar suas ações para uma finalidade compartilhada, os alunos se comprometem na elaboração de um produto. É assim que o compromisso que assumem torna possível que progridam na aquisição de estratégias necessárias para revisar e aperfeiçoar seus próprios trabalhos. Essa modalidade organizativa (projetos) que prevê um tempo maior de duração, além de favorecer a autonomia dos alunos, que podem tomar iniciativas porque sabem para onde marcha o trabalho,se contrapõe ao parcelamento do tempo e do saber. È assim que se torna possível evitar a justaposição de atividades sem conexão,que também abordam aspectos também sem conexão dos conteúdos, as crianças tem um tempo maior para resolver problemas desafiantes, construindo conhecimentos necessários,para estabelecer relações entre diferentes situações e saberes, para consolidar o aprendido e reutilizá-lo...
Agora,trabalhar com projetos não é suficiente para instaurar uma relação tempo-saber que leve em conta o tempo da aprendizagem e preserve o sentido do objeto de ensino. Para consegui-lo, é necessário articular muitas temporalidades diferentes: atividades que se desenvolvam com certa periodicidade durante um quadrimestre ou um ano – ler notícias, contos ou curiosidades tal dia da semana, por exemplo- contribuem para familiarizar com certos gêneros e para consolidar os hábitos de leitura, situações pontuais, como escrever uma mensagem por correio eletrônico para um aluno de outra escola,podem contribuir para consolidar certas práticas de comunicação por escrito . O entrecruzamento dessas diferentes temporalidades permite aos alunos realizar simultaneamente diferentes aproximações às práticas- participar num mesmo período em atos de leitura e de escrita dirigidos a diversos propósitos e assim voltar mais de uma vez ao logo do tempo a por em ação um certo aspecto da leitura ou da escrita-escrever,reescrever, reler,resumir...
Finalmente, é possível criar um novo equilíbrio ente o ensino e o controle, quando se reconhece que este (controle) é necessário, mas tentando evitar que prevaleça sobre aquele (ensino).Quando se apresenta um conflito entre ambos, quando é preciso escolher entre o que é necessário para que as crianças aprendam e o que é necessário para controlar a aprendizagem, parece indispensável optar pela aprendizagem. Trata-se de abrir espaços para que os alunos alem de ler certos tipos de textos, leiam muitos outros, mesmo que não seja possível para o professor avaliar a compreensão de tudo o que leram.
È imprescindível, por último, compartilhar a função avaliadora. É preciso delegar (provisoriamente) às crianças a responsabilidade de revisar seus escritos, permitindo que se defrontem com problemas de escrita que não poderiam descobrir, se o papel de corretor fosse assumido sempre pelo professor.ao diminuir a pressão do controle, torna-se possível avaliar aprendizagens que antes não ocorriam: como o professor não comunica de imediato sua opinão, os alunos expressam suas interpretações, confrontam-nas, detectam erros, buscam informações para corrigi-los... e todas essas ações proporcionam novos indicadores dos progressos que as crianças realizam como leitores e escritores.
É assim que as dificuldades vão sendo resolvidas.Analisar o real é muito duro, mas é imprescindível quando se assumiu a decisão de fazer tudo que é possível para alcançar o necessário : formar todos os alunos como praticantes da cultura escrita,

2- PARA TRANSFORMAR O ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA

QUAL É O DESAFIO?
O desafio é formar praticantes da leitura e da escrita e não apenas sujeitos que possam “decifrar” o sistema de escrita. É formar seres humanos críticos, capazes de ler entrelinhas e de assumir uma posição própria frente à mantida, explícita ou implicitamente, pelos autores dos textos com os quais interagem,em vez de formar indivíduos dependentes da letra do texto e da autoridade de outros. O desafio é formar pessoas desejosas de embrenhar-se em outros mundos possíveis que a literatura oferece. Assumir este desafio significa abandonar as atividades mecânicas desprovidas de sentido, que levam as crianças a distanciar-se da leitura por considerá-la uma mera obrigação escolar, significa também incorporar situações em que ler determinados materiais seja imprescindível para o desenvolvimento dos projetos que estejam sendo desenvolvidos.

O desafio é conseguir que os alunos cheguem a ser produtores de língua escrita, conscientes da pertinência e da importância de emitir certo tipo de mensagem em determinado tipo de situação social, em vez de se treinar unicamente como “copistas” que reproduzem –sem um propósito próprio- o escrito por outros , ou como receptores de ditados cuja finalidade- também estranha- se reduz à avaliação por parte do professor.

O desafio é conseguir que a escrita deixe de ser na escola somente um objeto de avaliação, para se constituir realmente num objeto de ensino, é tornar possível que todos os alunos se apropriem da escrita e a ponham em prática, sabendo- por experiência, não por transmissão verbal- que é um longo e complexo processo constituído por operações recorrentes de planejamento, contextualização e revisão.

O desafio é promover a descoberta e a utilização da escrita como instrumento de reflexão sobre o próprio pensamento, como recurso insubstituível para organizar e reorganizar o próprio conhecimento, em vez de manter os alunos na crença de que a escrita é somente um meio para reproduzir passivamente, ou para resumir- mas sem interpretar- o pensamento de outros.

O desafio é, em suma, combater a discriminação que a escola opera atualmente, não só quando cria o fracasso explícito daqueles que não consegue alfabetizar, como também quando impede aos outros- os que aparentemente não fracassam – chegar a ser leitores e produtores de textos competentes e autônomos. O desafio que devemos enfrentar, nós que estamos comprometidos com a instituição escolar, é combater a discriminação desde o interior da escola; é unir nossos esforços para alfabetizar todos os alunos, para assegurar que todos tenham oportunidades de se apropriar da leitura e da escrita como ferramentas essenciais de progresso cognoscitivo e de crescimento pessoal.

É POSSÍVEL A MUDANÇA NA ESCOLA ?

Os desafios apresentamos implicam uma mudança profunda. Levá-la à prática não será fácil para a escola. As reformas educativas- pelo menos as realmente merecem tal nome -costumam tropeçar em fortes resistências. A instituição escolar sofre uma verdadeira tensão entre dois pólos contraditórios:a rotina repetitiva e a moda. A revisão cuidadosa da obra de, entre outros, Dewey, Kilpratick, Decroly e Freinet surtiu um duplo e contraditório efeito : por um lado, permitiu termos clara consciência do difícil que é introduzir uma mudança na escola, ao constatar que certas idéias educativa fundamentais estão sendo apresentadas há mais de um século e que, no entanto, só deram lugar a experiência restritas, mas não conseguiram incidir em nada no sistema escolar global ; por outro lado, foi possível constatar que, no nível da idéias didáticas, estavam ocorrendo importantes progressos, já que as contribuições recentes permitiam, em alguns casos, completar e, em outros, abandonar de forma contundente as proposições anteriores.

A inovação tem sentido quando faz parte da história do conhecimento pedagógico e quando, ao mesmo tempo retoma e supera o anteriormente produzido.

È importante distinguir as propostas de mudança que são produto da busca de soluções para os graves problemas educativos que enfrentamos daqueles que pertencem ao domínio da moda. As primeiras têm em geral, muita dificuldade para se expandir no sistema educativo, porque afetam o núcleo da prática didática vigente; as segundas- embora sejam passageiras- se irradiam facilmente, porque se referem a aspectos superficiais e muito parciais da ação docente. E, se essas mudanças profundas se referem- como em nosso caso- ao ensino da leitura e da escrita,a resistência do sistema escolar, agiganta-se : não só estamos questionando o núcleo da prática didática, como revisamos também a forma como a escola concebeu tradicionalmente sua missão alfabetizadora, essa missão que está nas raízes de sua função social.

A CAPACITAÇÃO: CONDIÇÃO NECESSÁRIA, MAS NÃO SUFICIENTE PARA A MUDANÇA NA PROPOSTA DIDÁTICA

Se a atualização sempre é necessária para todo profissional, é mais ainda no caso dos professores latino-americanos de hoje. Reconhecer que a capacitação não é condição suficiente para a mudança na proposta didática porque esta não depende só das vontades individuais dos professores- por melhor capacitados que eles estejam , significa aceitar que, além de continuar com os esforços de capacitação, será necessário estudar os mecanismos ou fenômenos que ocorrem na escola e impedem que todas as crianças se apropriem dessas práticas sociais que são a leitura e a escrita, sem correrem o risco de caírem posteriormente no analfabetismo funcional.

ACERCA DA TRANSPOSIÇÃO DIDÁTICA: A LEITURA E A ESCRITA COMO OBJETOS DE ENSINO

O primeiro aspecto que deve ser analisado é o abismo que separa a prática escolar da prática social da leitura e da escrita: a língua escrita, criada para representar e comunicar significados aparece em geral na escola fragmentada em pedacinhos não-significativos; a leitura em voz alta ocupa um lugar muito maior no âmbito escolar que a leitura silenciosa, enquanto que em outras situações sociais ocorre o contrário ; na sala de aula, espera-se que as crianças produzam textos num tempo muito breve e escrevam diretamente a versão final, enquanto que fora dela produzir um texto é um longo processo que requer muitos rascunhos e revisões...Escrever é uma tarefa difícil para os adultos- mesmo para aqueles que o fazem habitualmente, no entanto, espera-se que as crianças escrevam de forma rápida e fluente...Ler é uma atividade orientada por propósitos- de buscar uma informação necessária para resolver um problema prático , por prazer, para se divertir, -quem costumam se relegados do âmbito escolar, onde se lê somente para aprender a ler e se escreve somente para aprender a escrever...

A versão escolar da leitura e da escrita parece atentar contra o senso comum. Por que e para que ensinar algo tão diferente do que as crianças terão que usar depois, fora da escola?

Através da obra de Chevallard (1985) pudemos conhecer o fenômeno de transposição didática- que permitiu tomarmos consciência de que a distância entre o objeto do conhecimento que existe fora da escola e o objeto realmente ensinado na escola está muito longe de ser privativa da leitura e da escrita, é um fenômeno que afeta todos aqueles saberes que ingressam na escola para ser ensinados e aprendidos.

O saber- mostrou Chevallard- adquire sentidos diferentes em diferentes instituições, funciona de um modo na instituição que o produz e de outro na instituição encarregada de comunicá-lo. Na escola, se aprender ler e escrever de um modo e de outro na família. A escola tem que comunicar o conhecimento elaborado pela sociedade e para isso transforma esse conhecimento em “objeto de ensino”. A partir daí o saber se modifica. Há que se determinar uma forma de organizar os conteúdos.a necessidade de comunicar o conhecimento leva a modificá-lo. Na escola o tratamento dos conteúdos é marcada de maneira decisiva pela pressão do tempo. O conhecimento vai se distribuindo através do tempo e adquirindo características diferentes do original. A graduação do conhecimento leva ao parcelamento do objeto.

No interesse da graduação, tempo e conhecimento se confundem.

As conseqüências da graduação no caso do ensino da língua escrita são bastante conhecidas : no começo, a leitura mecânica,e, só mais tarde, leitura compreensiva. Tanto a língua escrita como a prática da leitura e da escrita se tornam fragmentárias, são detalhadas de tal modo que perdem sua identidade.

Fragmentar assim os objetos a ensinar permite alimentar duas ilusões arraigadas na tradição escolar : contornar a complexidade dos objetos de conhecimento reduzindo-os a seus elementos mais simples e exercer um controle estrito sobre a aprendizagem . Lamentavelmente, a simplificação faz desaparecer o objeto que se pretende ensinar, e o controle da reprodução das partes nada diz sobre a compreensão que as crianças têm da língua escrita nem sobre as suas possibilidades como intérpretes e produtores de texto.

A transposição didática é inevitável, mas deve ser rigorosamente controlada, porque a transformação do objeto- da língua escrita e das atividades de leitura e escrita, em nosso caso,- teria que se restringir àquelas modificações que, realmente são inevitáveis. A versão escolar da leitura e da escrita não deve afastar-se demasiado da versão social não-escolar.

O controle da transposição didática não pode ser uma responsabilidade exclusiva de cada professor. É responsabilidade dos governos tornar possível a participação da comunidade científica nessa tarefa a fim de se pronunciar sobre a pertinência dos “recortes” que se fazem ao selecionar conteúdos,currículos, objetivos, avaliação,conteúdos, atividades...é de responsabilidade de cada professor prever atividades e intervenções que favoreçam a presença na sala de aula do objeto de conhecimento tal como foi socialmente produzido, assim como refletir sobre a sua prática e efetuar as retificações que sejam necessárias e possíveis.

ACERCA DO “CONTRATO DIDÁTICO”

Ao analisar as interações entre professore e alunos acerca dos conteúdos, pode-se postular que tudo acontece como se essas interações respondessem ao um “contrato implícito”, como se as atribuições que o professor e os alunos têm com relação ao saber estivessem distribuídas de uma maneira determinada, como se cada um dos participantes na relação didática tivesse certas responsabilidades e não outras quanto aos conteúdos trabalhados, como se tivesse sido tecido e enraizado na instituição escolar um interjogo de expectativas recíprocas...

Esse “contrato” implícito preexiste aos contratantes e, naturalmente, às pessoas concretas que estão na instituição, é muito eficaz, apesar de não ter sido explicitado, e somente se põe em evidência quando é transgredido.(conceito de contrato didático –G.Brousseau (1986)).

Um aspecto essencial que Brousseau aponta ao definir a noção de contrato didático, é que este compromete não só o professor e o aluno mas também o saber, como já vimos , sofre modificações ao ser comunicado.(transposição didática)

Que efeitos produzirá essa distribuição de direitos e obrigações na formação das crianças como leitores? Se existe uma autoridade a validar e a estabelecer, como as crianças a se tornarão leitores independentes? Como poderão autocontrolar suas próprias interpretações? Como poderão descobrir que a discussão com os outros permite chegar a uma maior objetividade na compreensão do que se lê?como se tornará um leitor reflexivo e crítico se na escola isso não é permitido na escola? Como ele será capaz de selecionar seus próprios textos, seu próprio material de leitura? Se o aluno tem por obrigação de escrever diretamente a versão final dos poucos textos que elabora, sem o direito de apagar, fazer rascunhos, riscar, revisar, porque a função de corrigir é desempenhada exclusivamente pelo professor, quando ele será um praticante autônomo e competente da escrita?

Se, de verdade, se pretende conseguir a realização desses propósitos, é preciso revisar essa distribuição, é preciso mostrar, não só para os professores, mas para toda a comunidade os efeitos que produz nas possibilidades de formar leitores e escritores, é preciso criar na escola espaços de discussão para elaborar possíveis vias de transformação, é preciso analisar a drástica barreira que separa as atribuições do professor das do aluno para se aproximar dos direitos mais compartilhados, é preciso ir elaborando o “contrato” que responda melhor à necessidade de formar leitores e escritores competentes.

É responsabilidade dos formadores de professores criar situações que permitam a estudantes e professores compreenderem a contradição aqui apresentada e assumirem uma posição superadora. É responsabilidade de todas as instituições e pessoas que tenham acesso aos meios de comunicação informar a comunidade, e em particular os pais , sobre os direitos que os alunos possuem na escola para poderem formar-se como praticantes autônomos da língua escrita.

FERRAMENTAS PARA TRANSFORMAR O ENSINO

Devem ser levadas em conta entre outras as seguintes questões como : introduzir modificações no currículo,na organização institucional,criar consciência em relação à opinião pública, desenvolver a pesquisa no campo da didática da leitura e da escrita, além de traçar novamente as bases de formação dos professores e promover a hierarquização social de sua função.

3- APONTAMENTOS A PARTIR DA PERSPECTIVA CURRICULAR

Pode-se afirmar que o grande propósito educativo do ensino da leitura e da escrita no curso da educação obrigatória é o de incorporar as crianças à comunidade de leitores e escritores: é formar os alunos como cidadãos da cultura escrita. “Se este é o propósito, então fica claro que o objeto de ensino deve definir-se tomando como referência fundamental as práticas sociais de leitura e escrita.” (D. Lerner, 2002.). É importante esclarecer que a caracterização do objeto de ensino não é um tema abstrato, de mero valor teórico, distante da vida da escola. As palavras de Lerner possibilitam olhar retrospectivamente a fim de refletir sobre quais as conseqüências da mudança de concepção do objeto de ensino nas práticas docentes. Durante muitos anos considerou-se que o objeto de ensino no começo da escolaridade eram “as primeiras letras”. A idéia subjacente era que o texto era uma soma de palavras que, por sua vez, era uma soma de letras, de modo que bastava ensinar as letras e como “juntá-las” para formar palavras, depois orações e, finalmente, textos. Nos graus mais avançados, os conteúdos das aulas de Língua estavam constituídos, basicamente, por questões gramaticais e ortográficas. Neste sentido, a idéia era que, conhecendo gramática e ortografia, a criança estaria capacitada para escrever e ler adequadamente. A correta reflexão didática de Lerner concebe as práticas sociais de leitura e escrita como o verdadeiro objeto de ensino, constitui uma contribuição inestimável para abandonar esse cenário. Entretanto, o aprendizado das práticas sociais de leitura implica um processo prolongado de construção de saberes e estratégias por parte dos alunos. Se partirmos dessa definição de leitura, nossa prática docente tenderá a propor situações em que as crianças desenvolvam essas estratégias para ir apropriando-se das características do sistema de escrita e da linguagem escrita por meio de práticas de leitura de diferentes textos de circulação social. Se, ao contrário, concebemos a leitura como a capacidade de reconhecer as letras, identificar os fonemas correspondentes e estabelecer a relação entre ambos para chegar ao significado, proporemos atividades que garantam esses conhecimentos e associações. Quanto ao sujeito do conhecimento, concebemos o sujeito que aprende como alguém que interage com o meio permanentemente, conhece o mundo que o rodeia a partir de sua atividade sobre ele, e cujo crescimento intelectual não se deve a um processo de soma de informações, mas a grandes períodos de reorganização das informações - às vezes a mesma informação anterior muda de natureza ao entrar em um novo sistema de relações que a criança vai construindo. O docente deve estar alerta e controlar estritamente os pressupostos em que se baseiam as propostas didáticas que oferece a seus alunos - não perdendo de vista, em cada caso, o objeto de conhecimento e o sujeito que aprende - para elaborar estratégias que favoreçam sua interação.

4-É POSSÍVEL LER NA ESCOLA?

Ler é entrar em outros mundos possíveis. É indagar a realidade para compreendê-la melhor,é se distanciar do texto e assumir uma postura crítica frente ao que se diz e ao que se quer dizer, é tirar carta de cidadania no mundo da cultura escrita...
É possível ler na escola? Esta pergunta pode parecer estranha: por que por em dúvida a viabilidade da leitura numa instituição cuja missão fundamental foi, e continua sendo, precisamente a de ensinar a ler e escrever?
(OU – NAO. NÃO É POSSÍVEL LER NA ESCOLA)

Por que a leitura-tão útil na vida real, para cumprir diversos propósitos- aparece na escola como uma atividade gratuita, cujo único objetivo é aprender a ler? Por que se usam textos específicos para ensinar, diferentes dos que se lêem fora da escola? Como explicar essas discrepâncias? Originam-se em autênticas necessidades didáticas? É necessário transformar- deformar- desse modo a leitura para conseguir que as crianças aprendam a ler?

A leitura aparece desgarrada dos propósitos que lhe dão sentido no uso social, porque a construção do sentido não é considerada como uma condição necessária para a aprendizagem. A teoria oficial na escola considera-diria Piaget- que o funcionamento cognitivo das crianças é totalmente diferente do dos adultos: enquanto estes aprendem apenas o que lhes é significativo, as crianças poderiam aprender tudo aquilo que ensinassem a ela, independente que possam ou não lhe atribuir sentido.

O uso de textos especialmente projetados para o ensino da leitura é apenas uma das manifestações de um postulado básico da concepção vigente na escola: o processo de aprendizagem evolui do “simples” para o “complexo”, portanto, para ensinar saberes complexos é necessário decompô-lo em seus elementos constituintes e distribuir a apresentação desses elementos ao logo do tempo, começando naturalmente pelo mais simples. Por outro lado, essa fragmentação do conteúdo para distribuí-lo no tempo, favorece o controle: controlar a aprendizagem de cada parcela é mais fácil de que controlar toda a complexidade da língua escrita ou da leitura no todo. É assim que a linguagem escrita e o ato de leitura desaparecem -sacrificados em função da graduação e do controle, e com eles desaparecem os textos que se usam fora da escola.

Em síntese, uma teoria da aprendizagem que não se ocupa do sentido que a leitura possa ter para as crianças e concebe a aquisição do conhecimento como um processo cumulativo e graduado, fragmento e distribuído ao longo do tempo e controlado a cada parcela,são os fatores que se articulam para tornar impossível a leitura na escola.

(OU – SIM. É POSSÍVEL LER NA ESCOLA)

Enfrentamos um grande desafio: construir uma nova versão fictícia da leitura, uma versão que se ajuste muito mais à prática social que tentamos comunicar e permita a nossos alunos se apropriarem efetivamente dela. Articular a teoria construtivista da aprendizagem com as regras e exigências institucionais está longe de ser fácil : é preciso encontrar outra maneira de administrar o tempo, é preciso criar novos modos de controlar a aprendizagem, é preciso transformar a distribuição dos papéis do professor e do aluno em relação à leitura,é preciso conciliar os objetivos institucionais com os objetivos pessoais dos alunos...

O SENTIDO DA LEITURA NA ESCOLA - PROPÓSITOS DIDÁTICOS E PROPÓSITOS DO ALUNO

Na escola, a leitura é antes de mais nada um objeto de ensino. Para que também se transforme em objeto de aprendizagem, é necessário que tenha sentido do ponto de vista do aluno, o que significa – entre outra coisas – que deve cumprir uma função para a realização de um propósito que ele conhece e valoriza. Para que a leitura como objeto de ensino não se afaste demasiado da prática social que se quer comunicar, é imprescindível “representar” – ou “reapresentar”,na escola, os diversos usos que ela tem na vida social. Em conseqüência, cada situação de leitura responderá a um duplo propósito. Um propósito didático, que é ensinar certos conteúdos constitutivos da prática social de leitura, com o objetivo de que o aluno possa reutilizá-los no futuro, em situações não-didáticas. E um propósito comunicativo relevante desde a perspectiva atual do aluno.

Os projetos devem ser dirigidos para a realização de algum (ou vários) dos propósitos sociais da leitura: ler para resolver um problema prático, ler para se informas,ler para produzir um texto, artigo, uma monografia, ler para buscar informações específicas,...projetos vinculados à leitura literária: poemas, contos,...

Cada uma desses propósitos põe em marcha uma modalidade diferente de leitura (Sole,1993) : quando o objetivo é obter informação geral sobre a atualidade nacional, o leitor opera de forma seletiva: lê as manchetes de todas as notícias e a introdução das mais importantes (para ele); quando o objetivo for o de resolver problemas práticos,o leitor tende a examinar escrupulosamente toda a informação fornecida pelo texto.

Diferentes modalidades de leitura podem ser utilizadas em distintas situações,frente a um mesmo tipo de texto .

Como se articulam os propósitos didáticos e os propósitos comunicativos, aos quais ponta o projeto proposto? Exemplos: 1-Projeto: produção de uma fita de poemas: A) propósito comunicativo:compartilhar com outras pessoas textos considerados comoventes ou interessantes. Propósitos didáticos são vários: fazer os alunos ingressarem no mundo poético,por exemplo. (B) grupos de educação infantil da escola.

Situações de Leitura

Os textos escolhidos cumprem pelo menos duas condições: nenhum deles proporciona, de maneira direta, a resposta à pergunta feita, são relativamente difíceis para os alunos.

A organização da tarefa leva em conta as condições anteriores: lêem-se vários textos, organiza-se a situação de leitura em duplas ou grupos de modo que as crianças possam colaborar entre si e fazer consultas ao professor. Ao ler os próximos textos já se estabelecem relações entre os textos lidos.

Como as crianças deverão responder por escrito à pergunta apresentada, anotações são feitas durante a leitura.

Situações de Escrita

O planejamento do texto a ser produzido se realiza a partir das anotações feitas durante a leitura. Discute-se a organização do texto. O processo de textualização se realiza, nesse caso, através de um ditado das crianças para o professor, já que a idéia é produzir um único texto. A produção coletiva permite ir discutindo as melhores maneiras de se elaborar uma versão mais adequada do texto e permite a intervenção mais forte do professor, que vai apontando para as crianças alguns problemas que elas ainda não consigam detectar por si mesmas.

A revisão final supões várias releituras do texto , focalizadas em diferentes aspectos: clareza, coesão, ortografia, pontuação.

GESTÃO DO TEMPO, APRESENTAÇÃO DOS CONTEÚDOS E ORGANIZAÇAO DAS ATIVIDADES

O tempo é –todos nós, professores, sabemos muito bem- um fator de peso na escola: sempre é escasso em relação à quantidade de conteúdos fixados no programa, nunca é suficiente para comunicar às crianças tudo o que desejaríamos ensinar em cada ano escolar.
Não se trata somente de aumentar o tempo ou de reduzir os conteúdos, trata-se de produzir uma mudança qualitativa na utilização do tempo didático.
Para concretizar essa mudança, parece necessário- além de se atrever a romper com a correspondência linear entre parcelas de conhecimentos e parcelas de tempo- cumprir, pelo menos, com duas condições : manejar com flexibilidade a duração das situações didáticas e tornar possível a retomada dos próprios conteúdos em diferentes oportunidades e a partir de perspectivas diversas. Criar essas condições requer pôr em ação diferentes modalidades organizativas: PROJETOS, ATIVIDADES HABITUAIS, SEQÜÊNCIAS DE SITUAÇÕES E ATIVIDADES INDEPENDENTES coexistem e se articulam ao longo do ano escolar.

1- Os projetos permitem uma organização muito flexível do tempo : pode ocupar somente alguns dias, ou se desenvolver ao longo de vários meses.
2- As atividades habituais , que se reiteram de forma sistemática e previsível uma vez por semana, ou por quinzena, oferecem oportunidade de interagir intensamente com um gênero determinado.
3- As seqüências de atividades em uma duração limitada a algumas semanas de aula, o que permite realizar-se várias delas no curso do ano letivo e se ter, assim, acesso a diferentes gêneros. No curso de cada seqüência se incluem- como nos projetos- atividades coletivas, grupais e individuais.
4- As situações independentes podem classificar-se em dois subgrupos :
a) situações ocasionais: em algumas oportunidades , a professora encontra um texto que considera valioso compartilhar com as crianças, embora não esteja em correspondência com as atividades que estão realizando no momento.
b) situações de sistematização : estas situações são “independentes” somente no sentido de que não contribuem para cumprir os propósitos apresentados em relação com a ação imediata, mas permitem sistematizar os conhecimentos lingüísticos construídos através de outras modalidade organizativas.
É assim que a articulação de diferentes modalidades organizativas permite desenvolver situações didáticas que têm durações diferentes, que podem se apresentadas ou realizadas em períodos limitados, algumas das quais se sucedem no tempo, enquanto outras se entrecruzam numa mesma etapa do ano letivo.

ACERCA DO CONTROLE : AVALIAR A LEITURA E ENSINAR A LER

A avaliação é uma necessidade legítima da instituição escolar, é um instrumento que permite determinar em que medida o ensino alcançou seu objetivo, em que medida foi possível fazer chegar aos alunos a mensagem que o docente se propôs comunicar. A avaliação da aprendizagem é imprescindível, porque proporciona a informação sobre o funcionamento das situações didáticas e permite então reorientar o ensino, fazer os ajustes necessários para avançar até o cumprimento dos propósitos propostos.

No entanto, a prioridade da avaliação deve terminar onde começa a prioridade do ensino. Quando a necessidade de avaliar predomina sobre os objetivos didáticos,(no ensino usual da leitura) produz-se uma redução no objeto de ensino, porque sua apresentação se limita àqueles aspectos que são mais suscetíveis de controle.

Saber que o conhecimento é provisório, que os erros não se “fixam” e que se aprende é objeto de sucessivas reorganizações permite aceitar com maior serenidade a impossibilidade de controlar tudo. Por outro lado, orientar ações para a formação de leitores autônomos torna necessário redefinir a forma como estão distribuídos na sala de aula os direitos e deveres relativos à avaliação. O professor continua tendo a última palavra, mas é importante que seja a última e não a primeira , que o juízo de validade do decente seja emitido, depois que os alunos tenham tido a oportunidade de validar por si mesmos suas interpretações produzidas na classe. Esse processo de validação- de co-correção e auto- correção exercida pelos alunos- faz parte do ensino, já que é essencial para o desenvolvimento de um comportamento leitor autônomo.

O PROFESSOR : UM ATOR NO PAPEL DE LEITOR

A leitura do professor é de particular importância na primeira etapa da escolaridade, quando as crianças ainda não lêem eficazmente por si mesmas. Durante esse período, o professor cria muitas e variadas situações nas quais lê diferentes tipos de textos. Quando se trata de uma história, por exemplo, cria um clima propício para desfrutar dela.

Enfim, tanto ao mostrar como se faz para ler quando o professor se coloca no papel de leitor, como ao ajudar sugerindo estratégias eficazes quando a leitura é compartilhada, como ao delegar a leitura, individual ou coletiva, às crianças,o professor está ensinando a ler.

5- O PAPEL DO CONHECIMENTO DIDÁTICO NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR

Para que o processo de capacitação de professores seja fecundo, duas condições parecem ser necessárias: por um lado, que o capacitador se esforce por entender os problemas que os professores apresentam, por compreender por que pensam o que pensam, ou por que decidem adotar uma proposta e rejeitar outra; por outro lado, que os professores se sintam autorizados a atuar de forma autônoma, que tenham razões próprias para tomar e assumir suas decisões. Assinalemos, finalmente, que a capacitação poderá ser muito mais efetiva quanto melhor conheçamos os fatos didáticos, quanto mais preciso seja o nosso saber acerca do ensino e da aprendizagem escolar da leitura ou da escrita, quanto mais avancemos na análise dos processos de comunicação do conhecimento didático aos professores. Avançar na pesquisa didática sobre o trabalho em classe e sobre a capacitação permitirá ajudar mais os professores em sua difícil tarefa.

2 comentários:

  1. Observe-se o quadro de escola: há professores para todas as disciplinas; há professores de apoio em Português e Matemática?Há um retreinamento entre os profissionais da escola?Com ficha de análise e troca de comentários no Horário Pedagógico?Existe uma proposta de revisão e acompanhamento nos cadernos dos alunos pelo coordenador?Há uma regra de atuação para cada setor da escola?Se tudo isso há e funciona em 2 anos teremos uma escola formadora de pessoas que interagem e são cidadãos.Reforma exitosa.Todos os pontos foram tocados e tendfem a dar certo.Boa sorte a todos nós educadores.

    ResponderExcluir
  2. Texto bem elaborado ... parabéns! Porém não deveria dizer isto, mas minha voz n quer se calar: Atualmente, o processo de alfabetização é o que todos já sabemos, mas antigamente (minha época) as crianças eram alfabetizadas com mais eficiência e em menos tempo, portanto não entendo por que tanta crítica a respeito dessa forma de alfabetizar alunos nos anos iniciais de estudo ... Abraços!

    ResponderExcluir

Muito obrigado!